You are currently browsing the monthly archive for Junho 2011.

Nosso coração é a chave de tudo, é lá onde mora a força que move as montanhas se necessário e eu espero que você não seja ingênuo o suficiente para achar que as montanhas não são literais… Você já parou e pensou quantas vezes devem ter sido ditas aos grandes homens da humanidade que eles não conseguiriam realizar seus objetivos? Inúmeras vezes. E se eles tivessem dado ouvido aquelas vozes? Certamente não teríamos telefones, aviões, a terra ainda seria plana e a gravidade não existiria. Pessimismo dos que não tem a cabeça nas nuvens. Por isso queria lhe convidar a deixar seu pensamento voar livre até onde seus sonhos moram e lá que ele pudesse captar o néctar deles, assim como uma abelha faz, trouxesse de volta para polinizar sua mente e assim enchê-la com duas coisas: esperança e fé. Primeiro a esperança de quem espera à hora certa pra as coisas acontecerem, sem atropelos e a cobrança de ter que dar certo. As coisas só acontecem no tempo certo e a paciência da esperança é necessária pra isso. Depois a Fé pra ser o combustível pra aquilo que seus olhos ainda não viram, a esperança é o motor e a fé é o combustível. Aquela voz dentro de seu peito que grita o que você vai conseguir quando ninguém mais escuta. Se for para acreditar em alguém, acredite em você. Lute por suas convicções, ande na direção contrária do mundo se preciso, mas, não fique estagnado nele. Por fim ainda que não consiga ter realizado você será um homem a frente de seu tempo, lutou por algo que realmente vale à pena: por você. São poucos os que têm a coragem pra isso. A fibra de arriscar sair do marasmo agonizante em que vivem. Seus sonhos podem ser tonar realidade, basta você trabalhe e se capacite pra isso. O que não devemos admitir é que ninguém nos defina ou que limite até onde possamos sonhar. Entendeu tudo direitinho? Agora saia em busca de seus objetivos e certamente nos encontraremos no meio da jornada. Como eu tenho tanta certeza disso? Com esperança oras…

Eu às vezes fico pensando que o mundo poderia ser menos injusto, menos sofrido, só que daí eu vejo uma coisa que me deixa feliz em meio a tanta dor: eu vejo as pessoas se ajudando, pessoas arriscando a vida pelas outras, pessoas nunca viram na vida. Passar dias em meio a escombros tentando achar um sinal de que ainda vale à pena acreditar, de esperança e luz em meio à escuridão. Perguntam-me se eu ainda tenho fé na humanidade, a minha resposta? Acredito sim! Se eu não acreditar quem vai? Se um acredita, passa essa fé adiante e vai “contaminando” outros que passam a crer e quem sabe daqui a algum tempo não vamos ter uma “doença” espalhada pelo mundo chamada: amor ao próximo. Contamine-se também! Ame sem esperar retribuição e ajude as pessoas como puder. Pode ser com um sorriso pra alegrar o dia, um abraço pra demonstrar afeto ou com um simples olhar de sinceridade para que o mundo enxergue a verdadeira emoção de ser amado…

Esse texto gostaria que fosse meu, mas,  é de uma pessoa que amo e admiro muito: Gabriella Silva Alves

quem achou o texto interessante, pode acompanhar o que ela escreve aqui: http://www.e-novelas.com.br/?q=webnovela&id=11084

Eu tenho um “que loshermânico”… um “que” de Amarante, de Camelo. De um cara que talvez não se ache um digno de um adjetivo: poeta. Mas sim, de um “sentimental”, de um homem que ama e sofre por amor. Que tem um querer bem por alguém que às vezes não faz o menor sentido. Que te sufoca por se tratar de um sentimento que tal magnitude seja inconcebível para alguns desconhecidos das artimanhas do coração. De um cara que tem coragem de olhar nos olhos de uma mulher e dizer: eu te amo. De certo há dúvidas nessa hora, porém, o calor de emoção o condenaria a passar a eternidade no inferno por negar essa oportunidade de fazer-se real o que só existe em sua imaginação, em suas canções e em seu coração.

Conseguir transmutar o óbvio de um amor para a complexidade do mundo real, pois o amor é simples, é reto, é linear. Porém jogado num mundo de interesses diversos, de realidades totalmente adversas a cada esquina. Onde se sabe sobre o “eu” e o “nós” fica atrás de uma infinidade de coisas que lhe julgam mais importantes. Eles fazem isso de maneira maestral, as suas letras simples, diretas, objetivas, contrastando com melodias de sonoridades não convencionais e abstratas.

De músicas que talvez não sejam exatamente músicas, mas,  diálogos diante da pessoa a qual os versos são dedicados. Das atribulações que existem em se querer amar alguém hoje, não amanhã e o ontem são lembranças que jamais serão esquecidas. Mas preciso do hoje, da tua resposta, de teu afago ou da tua fragilidade…

Calendário

Junho 2011
D S T Q Q S S
« Maio   Jul »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos